Como posso ampliar o meu (pequeno) negócio? |1


Chega um momento na vida de toda pequena empresa, no qual o empresário é levado a pensar: “Se eu não estou com tempo para atender às obras em andamento e ainda correr de um lado pro outro atrás de novos contratos – como vou conseguir ampliar a empresa a partir desse ponto?”.

Toda empresa é do tamanho do talento e dedicação do seu capital humano. De modo especial – do capital humano dito estratégico (ex. membros da equipe gestora).

E se ela fica estagnada, sem o devido dinamismo comercial, ainda que num patamar “confortável” para os seus sócios, sua força inercial se reduz e tende a se acabar. E qualquer abalo no mercado costuma lhe trazer sérios riscos de fechar as portas.

Claro, como empresário prestador de serviços de arquitetura, engenharia e obras (AEO), você precisa acompanhar os projetos e estar presente nas obras dos clientes, e não pode passar o dia todo atrás de novos negócios (até porque, depois, não vai poder cuidar deles adequadamente).

A verdade é que todos nós temos apenas 24h no dia. No entanto, enquanto algumas empresas seguem captando novas oportunidades, outras estão enfrentando dificuldades, deixando de fazer o que é preciso para avançar e evoluir em seus negócios.

Em sua reflexão, você certamente também se pergunta: “Como posso captar todo o talento e dedicação exigidos para desenvolver a empresa – para torna-la mais eficaz e mais eficiente, para alcançar os almejados objetivos de crescimento, segurança e rentabilidade?”. |2

Os sócios responsáveis pelo destino da empresa precisam começar se perguntando se (a) desejam mantê-la pequena – sujeita aos riscos de bruscas oscilações do mercado (com poucos clientes representando 100% da demanda..), tendo eles próprios que usar diferentes chapéus ao longo do dia (nem sempre de forma eficaz e eficiente); ou se (b) assumem, desde já, o compromisso de desenvolver negócios (no segmento atual ou em novos segmentos)!

O compromisso de desenvolvimento exige (a) algum investimento próprio – nem sempre disponível (no ponto atingido, a empresa pode ter um fluxo de caixa totalmente comprometido com as obras) ou (b) uma parceria estratégica com outros pequenos empresários (possivelmente, diante das mesmas dificuldades e objetivos), cujos talentos complementem os da empresa. Assim, juntos, podem atuar com maior foco e captar hoje as oportunidades de receitas de amanhã.

Se nada for feito para mudar, a empresa continuará a obter (cruze os dedos!) os mesmos resultados de sempre:

Há sempre uma desculpa conveniente para não se investir, de forma estratégica, em talentos próprios ou de parceiros visando o desen­volvimento da empresa. Mas os empresários que optam por avaliar alternativas de desenvolvimento e seguem orientações seguras, cos­tumam ampliar o escopo e o volume de seus negócios... e nunca se arrependem.