As raízes da procrastinação (e dicas para superá-la) |1

Nós, seres humanos, gostamos de pensar que somos muito espertos. No entanto, nossos magníficos cérebros, que nos permitem dividir o átomo e tocar na lua, são os mesmos cérebros estúpidos que se recusam a começar uma tarefa importante até chegar a hora de concluí-la.

Evoluímos a partir de criaturas primitivas, e nunca deixamos de lado completamente o legado dessas criaturas. Sabe a parte inteligente, racional de seu cérebro, que você pensa como sendo a sua consciência? Vamos chamá-la de Albert (Albert é o neo-córtex, a parte do cérebro desenvolvida por último no processo de evolução) . Albert vive em seu cérebro ao lado de um bebê réptil, impulsivo, jurássico, que chamaremos de Dino (Dino é a glândula pineal, mas chamá-lo assim não é muito agradável; ficamos com Dino).|2

Dino evoluiu por milhões de anos – inicialmente, no cérebro dos répteis – e seus instintos orientam e motivam você até hoje. Fome, medo, desejo, sexo.. Os pensamentos e reações de Dino são primitivos e fazem comunicação direta com o resto do cérebro – sem uso da linguagem.

Agora, algo que você não vai gostar de ouvir: Dino dá a palavra final em todas as suas decisões. Em cada uma.. da mais simples a mais complexa. Nós gostamos de pensar que Albert é o nosso “verdadeiro eu” – a parte consciente do nosso cérebro. Mas ele é apenas a parte racional, falante. Quando decidimos ir estudar ou escrever um poema, Albert toma essa decisão. Dino não ouve Albert. Como uma criança, ele faz muita coisa que Albert pede, desde que ele queira. Mas se Dino preferir dormir no sofá, assistir novela e comer porcaria, é isso o que você vai fazer.

A ascensão incrível da humanidade que nos rodeia é em grande parte possível porque nós desenvolvemos sistemas para alimentar nossos cérebros reptilianos, subjugar, acalmar e subvertê-los. Grande parte desses sistemas formam o que chamamos de “civilização”. Alimentos e moradia amplamente disponíveis dão conforto a muitos. Também os sistemas judiciário e de transito. A educação obrigatória. Diversão. Monogamia. Tudo isso acalma Dino por tempo suficiente para Albert fazer algo útil – como descobrir a penicilina, terminar um livro e inventar trash food.

Por que procrastinamos assuntos importantes?

Você tomou uma decisão com a sua mente consciente (seu Albert) e se pergunta “por que não estou conseguindo levá-la adiante?”. A verdade é que o real tomador de decisão (seu Dino) não é tão maduro – e, possivelmente, ainda não está “convencido”..

Imagine que você tenha que, constantemente, convencer uma criança a fazer o que você quer. Para ações simples, apenas afirmar a sua autoridade pode ser suficiente. “É hora de jantar”. Mas, quando a criança não quer fazer alguma coisa, ela finge que não te ouve. Você precisa convencê-la. Vejamos algumas estratégias para aumentar suas chances de sucesso!

Estratégias para aumentar as chances de sucesso!

Esqueça a lógica

Uma vez que você decidiu fazer algo, a lógica e a razão não vão te ajudar. Seu réptil interno pode ser aplacado, assustado ou animado. Mas ele não se comunica por fala e não pode ser convencido por aí.

Se cuide

Se você está com fome, cansado ou deprimido seu réptil bebê vai se rebelar. Vai deixar de cuidar de si mesmo, chorar, gritar e se recusar a fazer uma maldita coisa que você diz para ele fazer. É para isso que ele serve. Comer, dormir e se divertir.

Estimule a disciplina

Crie rotinas de reforços positivos e negativos. Se você quer que uma criança coma legumes, não lhe dê sobremesa antes dela comer – nem depois, se não comer. Recompense o sucesso e estabeleça punições certas para o fracasso. Exemplos clássicos incluem comprometer-se publicamente com um amigo ou colega, ou trabalhar em equipe – Dino é sensível à pressão social.

Incite a emoção

Seu cérebro réptil responde à emoção. Essa é a sua linguagem. Então, se motive ou fique aterrorizado. Palestras motiva­cionais, filmes e artigos podem funcionar por um tempo. Ouça uma música eletrizante. Imagine a felicidade associada com a obtenção de alguma coisa, ou os horrores de falhar. Faça a sua imaginação vívida o suficiente para que você se mobilize. É por isso que usamos truques semelhantes com as crianças. “Escove bem os dentes ou você vai ficar banguela.”

Force a partida

A coisa mais importante que você pode fazer é começar. O primeiro passo é o mais temido.. Grande parte dos instintos de Dino são para evitar a mudança. No entanto, uma vez que você comece algo desejado, Dino passa a trabalhar em seu favor. Com tempo suficiente, você pode até convencer Dino a amar as coisas que antes odiava. É por essa razão as crianças são forçadas a ir para a escola e a tomar aulas de piano..

Crie vieses ambientais

Dino é míope e pouco brilhante. Se ele vê um ícone do Facebook, ele quer pega-lo. É como distrair uma criança com um programa legal de TV bem na hora dela deitar. Evite os vieses negativos, e.g. organize seu ambiente de trabalho (e estudo) livre de distrações – desligue mensagens instantâneas, notificações, e-mails.. Tenha lugares e horários definidos para trabalho e para lazer. Ajuda também ter computadores diferentes (ou pelo menos contas de usuário diferentes).

Como agir daqui em diante?

Agora que você conhece (seus) Albert e Dino, sempre que souber o que quer fazer, identifique os padrões de Dino e passe a controlá-los (talvez possa eliminá-los). Descubra qual estratégia (ou dica, abaixo) funciona melhor com ele (e com você!).

Sabendo que há um (réptil) bebê impulsivo em seu cérebro e que, infelizmente, ele está no comando, você precisa ser um pai (ou mãe) competente para educá-lo.. E ele fará como faz a maioria dos bebês: vai obedecê-lo docilmente e pode até ajudá-lo! Basta mostrar-lhe quem está verdadeiramente no comando (você!?).

Dicas para facilitar a realização de decisões e metas

  • Considere os obstáculos – prepare-se e defina ações para superá-los;
  • Comece “pequeno” – porém visando sempre algo desafiador;
  • Comece cedo – quanto antes você der a partida, mais fácil fica;
  • Repita – especialmente se envolver uma prática contínua, persista!
  • Torne a meta parte de sua rotina – facilita manter o foco na caminhada;
  • Prepare-se para os imprevistos – reserve um tempo extra e outros recursos;
  • Encontre um parceiro(a) – ajuda ter um(a) que tem uma meta semelhante à sua;
  • Acompanhe o seu progresso – corrija eventuais desvios; manter o foco é importante!
  • Não seja severo demais consigo mesmo – aceite eventuais falhas, sem se acomodar;
  • Comemore suas vitórias – ao concluir cada etapa importante da caminhada!
  • Procrastinação e coaching: qual a relação?

    Num processo de coaching, o coach ajuda o cliente a tomar decisões, identificando metas e ações para realizá-las, pondo em prática uma ou mais dicas e estratégias – como as apontadas acima. Ou seja, ajuda o cliente a sair da inércia e realizar seus desejos, com planos de ação simultaneamente desafiadores, motivadores, e passíveis de serem realizados nos prazos e com os recursos disponíveis para tal.

    A medida que realizamos nossos desejos, crescem a nossa autoconfiança, auto-estima e motivação. Novos planos vão sendo traçados...